Último Dia ➵


Chegou, finalmente, o último dia do mês de Julho. 
Sexta-feira entreguei o meu projecto de graduação e o relatório de estágio. Estou oficialmente de férias, pelo menos por este mês, até à apresentação do projecto - ainda não sei se será em Setembro ou Outubro - depois disso, não sei se pararei por um ano, se me inscrevo logo para o mestrado na mesma universidade... 
Quanto à minha tia, ainda está no hospital, nos cuidados intensivos, já está a deitar a infecção para fora. Mas não se sabe se não terá sequelas. 
O melhor a fazer neste momento, em relação a tudo, é viver um dia de cada vez, com calma. O que tiver de vir, virá.

Mind over the matter. Mind over the matter ☆


O mês de Julho é sempre um mês mau para os meus lados, e nunca tive razões para dizer o contrário...
A semana passada houve uma grande discussão na minha família, ontem uma tia minha foi parar ao hospital e está em coma.
Espero que ela fique bem, espero mesmo, ela é o pilar da casa dela, se ficam sem ela agora... Shh, não posso pensar nestas coisas.
Ela vai ficar bem, tem de ficar. A sensação de impotência é grande, agora resta-nos ter fé, apenas. Acreditar que tudo vai ficar bem 

Há melhor coisa? ✈


Estão a ver as pessoas que vão ao programa da Cristina e do Pedro, e como prémio de sonho escolhem um outro qualquer, que não a viagem de sonho? Não os entendo, não sei como não escolhem logo a viagem!
Como diz a imagem: viajar, é a única coisa que tu compras que te torna mais rico!
Acho que basta isto, não sou viajada, gostava de ser uma pessoa bastante viajada mesmo. Mas acho que viajar é uma coisa que nos transmite sensações únicas, de sonho.

Tudo gira à tua volta, em função de Ti ✝


 Não deixem já de me seguir, nem comecem já a achar que sou um católica toda louca e 'ferranha' até porque isso para mim não existe, uma pessoa assim não poderá ser católica (espero que estejam a entender) porque se fosse não faria o que faz, tentaria sempre por em prática aquilo que Deus nos transmitiu...
 Eu sou católica, não vou dizer praticante porque perdoem-me mas eu sou da opinião que isso de católico não praticante não existe, ou se é ou não se é!! Tu não vais à igreja e afins, mas em casa falas com Deus à tua maneira? Cantas, falas como se fosse um amigo? Então és católico/a, ponto.
 Eu não sou das beatas, e jovens - sim também há jovens assim!! - que vão à igreja, bater com a mão no peitinho, "venha a nós o vosso reino" mas o "seja feita a vossa vontade" não importa... É triste! Revolta-me saber que "divido igreja" com pessoas assim. É pura mesquice.

Eu faço parte de um grupo coral de jovens. Fiz o crisma. E depois entrei para este grupo, melhor decisão que já tomei, entrei por estar com uma depressão e curei a depressão. Arranjei amigos, uma segunda família.
 E no meu coro, assim como com as boas pessoas da nossa igreja, eu aprendi e aprendo, aprendo sempre a essência de ser católica, o verdadeiro significado da palavra . É este acreditar que algo melhor virá, que há uma razão para tudo, que nunca estamos sozinhos, é isto que nos move.
 Lá, posso ser eu própria, sem medo do que os outros possam pensar. Estou com pessoas que me conhecem há 5 anos, e isso já é mais do que suficiente para me fazerem sentir sempre eu mesma. 
 São nas pequenas coisas que vivo lá, principalmente no coro, que eu sinto que Deus existe sim, existe através destas pessoas que me recebem, aceitam,apoiam, todos os dias, independentemente de tudo. 
 Se nós lá dentro nos damos todos bem? Claro que não! Longe disso. O Stiles, a Sophie, a Caroline, e afins, todos nós andamos neste grupo. Mas quando temos este mesmo objetivo, ultrapassamos estas adversidades. Não estou a dizer que sou amiga destas pessoas como de um amigo mesmo meu, mas falo com elas sobre o que é necessário para o grupo. Estão a ver quando não podem levar problemas de fora para o trabalho? É exactamente a mesma coisa, o coro é o nosso trabalho comum e temos de o respeitar.

 No domingo foi este passeio que já vos falei no post anterior, e cada um de nós tinha a sua música, sem saber o motivo para tal. Então lá para o meio do dia começamos a tentar explicar o motivo de cada música em cada um, de uma forma muito profunda. Aleatoriamente, eu fui a última pessoa e respectiva música de quem falara, e surpreendentemente foi a mais longa explicação. Explicaram que isto teria a ver muito com a minha pessoa, o que sou no grupo e fora dele, porque já não existe uma Nea que não esteja relacionada ao coro - e vice versa! ooh - tudo gira em volta do coro na maioria da minha vida e é isso que a escolha da música no fundo quer dizer. Também foram buscar o que eu contei há uns meses, o porquê de naquela altura ter entrado no coro, a depressão e disseram que também poderiam relacionar com isso que o ponto/a estrela que me move são os meus problemas, no bom sentido, porque os problemas não são obstáculos/muros, são degraus que uma pessoa tem que ter a capacidade de ultrapassar e graças ao grupo em parte, eu fiz e tenho feito isso.

 Bem, acho que vou parar por aqui, o post está demasiado longo já. Ainda teria muito que falar, mas já chega!
 Querem falar de religião comigo? Podem falar! Adoro isto.
 Conheço gente evangelista, até budhista, e se não conhecer quero pesquisar porque adoro saber mais disto! 

Compensou, compensou tanto ♡


De quinta para sexta, não dormi lá muito bem. Aproveitei a manhã e a tarde para adiantar o projeto.
Sexta à noite deitei-me à uma, porque andamos até essa hora a preparar tudo para o concerto do coro - acartar cadeiras e mesas, limpar e decorar todo o local onde faríamos a festa...
Dormi, mas estava sempre a acordar de longe a longe.
Sábado acordei às 9h para estar lá no local outra vez, a acabar os últimos pormenores, às 13h fizemos uma pausa para ir almoçar rapidamente, fui a casa tirar o fato de treino e vestir umas calças de ganga com a t-shirt do grupo. Depois fui comprar umas coisinhas que faltavam e voltei. 
O bar abria às duas, o meu horário era só das quatro até às seis, mas eu acabei por ficar lá toda a tarde. Se não o fazia a coitada da Dali ficaria sozinha a fazer o trabalho todo, quando não estávamos a fazer nada, estava alguém a perguntar-me a mim o que devia fazer, como fazê-lo e ajuda para tal.
Foi um dia mesmo muito stressante, fiz o melhor que pude sempre, mas não sei porquê sempre que o Luke falava para mim ou falava mal, ou era a pedir que fizesse algo. Presumo que fosse por causa do stress.
À noite, foi o último concerto com o Luke como maestro, pois ele não ficará mais à frente do grupo como elemento de direcção nem como maestro. Isto deixa-me tão mas tão triste, ninguém imagina... Pedem-me para eu continuar, até me pedem para ficar eu à frente disto daqui para a frente. Mas sozinha, eu não consigo... Terei de pensar, muito bem! Ver quem ficaria na direcção comigo...
No momento do concerto, esquecemos tudo isto, simplesmente vivemos o momento, curtimos a música! Fizemos o Luke ficar orgulhoso e todo feliz, demos-lhe uma lembrança muito querida!!

No domingo, foi o nosso passeio anual. A Rachel fazia parte do grupo de organização comigo, foi sempre uma grande ajuda, e no dia seria ela a ajudar-me e a tratar de muitas coisas. No entanto, durante a noite ela sentira-se mal, indisposta e fez febre, então ontem acabou por não puder ir connosco.
Fiquei nervosa quando de manhã li a mensagem dela, senti que não ia saber que fazer e as coisas iam correr mal. Mas ao longo do dia foi acontecendo o contrário.
Não foi um passeio como nos outros anos, porque no dia anterior com o concerto, o pessoal estava muito cansado, então fizemos actividades mais soft com muitas pausas pelo meio.
Correu tudo bem.
Cheguei ao fim deste fim-de-semana de coração cheio!