Oh, o ano passado.... (Campos part 4, última)

Ontem fui trabalhar com o meu pai de manhã. De tarde a S.C*, que fazia anos, veio cá a casa ajudar-me com a candidatura à bolsa e aproveitei e já lhe dei a prenda. Há noite fomos até ao café da tia cantar-lhe os parabéns. E por isto tudo é que não apareci por cá. Peço desculpa!
Bem, falta o domingo certo? Sim, porque sábado à noite não aconteceu nada de mais a não ser a crise da monitora do quarto ao lado que contei no post das coisas más.
Domingo, de manhã estivemos a fazer uma avalição geral do campos. Como estava tudo a fazer comparações eu decidi seguir a lógica... Disse que este ano adorei o facto de as actividades estarem todas relacionadas e até o local onde se realizou o campos estar relacionado com as actividades. Mas disse, com toda a franqueza, que preferi o do ano passado. Porque as actividades, embora não fossem relacionadas, foram todas, e não apenas uma como este ano, intensas! Tanto as de rir, como as mais "tristes" foram todas elas muito tocantes mesmo. Disse também que o ano passado foi mais "campo" como deve ser e este ano foi cidade, mesmo no meio de um campus universitário, mas tudo bem.
Depois de tudo isto fomos almoçar, no fim do almoço cantamos inclusive a "Conga", escoteiros e escuteiros conhecem. Depois desta pausa, voltamos à sala onde tínhamos dado as opiniões e estivemos a preparar uns saquinhos com sal para oferecer-mos à paróquia na missa do campos que se vai realizar. Sacos feitos, fomos para a igreja do campos onde se realizou a eucaristia final, só nós, nada de pessoal da nossa freguesia ou coisa parecida, só gente do campos mesmo. No fim da missa viemos embora, mas em vez de voltarmos como fomos (na camioneta), voltamos na carrinha emprestada do maestro.
E foi campos.

Vós sois a luz do Mundo, sois o sal da Terra. (campos parte 3)

Podíamos perfeitamente ser nós.
Após toda a cena do seminarista ficamos acordadas até às 4 e tal da manhã, a conversar, a rir, a tirar fotos, tiramos mesmo muitas selfies no últimos dias. Acordamos eram 8h20min, tínhamos 10min para estarmos no sítio de reunião para a oração da manhã. Desafio aceite e concluído com sucesso. Às 9h começou a dinâmica Vós sois a luz do mundo, acendemos as velas e vimos um powerpoint que falava de 4 velas: a vela da paz, do amor, da fé e a da esperança, lá dizia que uma a uma as 3 primeiras velas se apagaram ficando apenas a última acesa e isto era o que bastava pois esta vela, a vela da esperança tinha o poder de acender todas as outras, então nós devemos ser a luz desta vela, a luz da esperança para o mundo para manter todas as outras velas acesas e manter fortes as velas da esperança que estão fracas.
Às 10h saímos para uma caminhada até às salinas com a dinâmica Sois o sal da Terra, nós fizemos a caminhada em grupos e ao longo da mesma íamos fazendo paragens para cada um dos elementos representantes dos grupos nos dizerem em quê que o seu grupo consistia, o maestro representou o nosso coro, o Toby representou o grupo da catequese que falei no post anterior (é um 12º e 13º), o chefe dos escuteiros representou obviamente os escuteiros, a irmã da Ashley representou os acólitos e a monitora do quarto ao lado representou os catequistas. Eu já conhecia todos e já sabia tudo o que eles disseram, mas havia muito boa gente que não tinha a mínima noção do que alguns grupos faziam. Por exemplo, como disse o Toby, o nosso grupo de catequese não tem divulgação nenhuma (agora connosco lá dentro isso vai mudar), muitas pessoas não sabiam o que se fazia no nosso grupo e para quê que ele serve.
Após todas as apresentações chegamos às salinas, onde explicaram aos miúdos porquê que somos o sal da terra, estabelecemos uma relação entre o sol (luz do mundo) e o processo de formação do sal (sal da terra) e aqui estava feita a relação final entre as duas actividades. A partir daqui foi tudo feito em função das duas coisas.
À noite fizemos uma espécie de fogo do concelho onde havia uma corrente onde nós tínhamos de colocar o nosso aluquete e guardar a chave para o abrir apenas quando o compromisso que fizemos perante todos fosse cumprido.Esta foi sem dúvida a actividade mais intensa, nós tornamo-nos num grupo mesmo naquele momento, ali não havia nada para se guardar para nós tínhamos de deitar tudo para fora. Muita gente chorou ao fazer o seu compromisso porque tinha muita história por trás, o Toby chorou ao contar o seu compromisso e o motivo de ser aquele e eu não sei como não chorei ao ouvir todas aquelas histórias. Muita gente não tinha aluquete então o quê que alguns fizeram? Entregaram o seu aluquete a uma pessoa que não tinha e depois colocaram lá a chave e disseram "Eu não vou abrir o compromisso do X, por isso deixo aqui a chave, representando-nos aos dois". No final o escuteiro, aquele que até fez a caminhada com o coro, fechou a corrente numa só representando a união do grupo e a ligação dos nossos compromissos. 
O meu compromisso? Não o vou dizer, vai ficar fechado com aquele aluquete e com aquele grupo.
Amanhã irei contar o restante e comparar o do ano passado com o deste ano*

Fez-nos falecer o rapaz! (campos parte 2)


As tão esperadas partes boas...
No viagem o motorista colocou músicas, íamos nós todos felizes a cantar até que o Toby decidiu contar-me tudo o que aconteceu no nos alive, ele mal soube que ia comentou isso no grupo da catequese (é um grupo onde quem já fez o crisma pode continar a sua caminhada, fazemos várias actividades, um dia destes falo-vos sobre nós) e reparou que eu queria mesmo ir e decidiu começar a provocar, nunca mais se calou com isso. Então, na viagem para Aveiro, decidiu continuar com a provocação, contou tudo e entretanto calou-se, até que começou a dar a Ho Hey no rádio ia eu toda feliz da vida a cantar com as companheiras até que ele se lembra de dizer "Ó Bu! E ouvir isto ao vivo?" do tipo... Posso esganá-lo? Bom, bom foi começar a dar Do I wanna know eu baixei logo a cabeça, já sabia e ele "Ó Buuuuuuuuu...... É altamente não é? Eles dão alto show!". Morto, matado, enterrado era o que ele estava se não estivesse uns lugares mais longe de mim.
Nesse dia à noite o Seminarista (ele tem 16 anos. Se estes dias dessem uma novela, o miúdo seria uma personagem principal) contou a história da Santa Joana Princesa e do seminário. Depois fizemos a actividade da rolha, do giz e da esponja. Havia uma bacia cheia de água que representava a palavra de Deus, tínhamos de mergulhar um dos 3 objectos na água, ver se percebia-mos o sentido daquilo e escolher que objecto éramos. Basicamente: A esponja representava aqueles que "absorvem" bem a palavra de Deus e também a "deitam para fora", transmitindo-a bem aos outros; o giz representava aqueles que ouvem a palavra de Deus mas que não a transmitem correctamente ou simplesmente não a transmitem; por fim, a rolha representava aqueles que não ouviam correctamente a palavra de Deus, nem a transmitiam. Acreditem, embora não admitissem, naquele retiro havia muuiiiiitaaaas rolhas!
Voltamos para os quartos, houve mistura claro. Eu, a Lucy e a Ashley fomos para o quarto da Troian e das suas meninas, elas tem 14 anos, mas sem ninguém a perturbá-las elas são 5 estrelas. Estivemos na conversa, rimos muito. Estávamos a falar sobre algo parvo e a Troian começou a olhar para nós, levantando a sobrancelha, nós perguntamos o quê que ela queria, ao que ela respondeu "Vocês caladas sois poetas, mas caladas!", rimos bastante... Mas não nos calamos. Eram 2 e quê da manhã quando saímos do quarto delas e voltamos para o nosso. Estávamos a vestir o pijama quando ouvimos trupos na porta, fomos abrir (aquilo para destrancar a porta ainda demorava) e nada, corredor vazio, fechávamos a porta e tornávamos a ouvir trupos e alguém a correr, abri logo a porta e vi ao fundo do corredor um rapaz, nem percebi quem era ao primeiro disse às meninas que era um rapaz ele disse: não sei quê aqui às voltas não sei quê pareço maluco, quando eu ouvi a voz é que percebi que era o Seminarista e a Ashley "Quem és?", eu e a Lucy logo "É o seminarista!" mas tipo a serrar os dentes como que para ele não perceber. O rapaz foi-se e entretanto a Troian veio à porta perguntar o que se passava, estavamos no corredor a contar tudo quando vemos uma sombra no fundo do corredor, parecia um morcego, mas era um pássaro e aí é que percebemos que o seminarista andava às voltas atrás do pássaro e por isso é que tava todo confuso. Voltamos aos quartos e minutos depois ouvimos um grito, saímos do quarto e vimos que as meninas do quarto da Troian estavam no quarto ao lado e a monitora do quarto ao lado estava no quarto delas, o quê que se tinha passado? Uma das raparigas tinha uma aranha no quarto dela, ela tem fobia gritou e elas saíram todas de lá. A monitora do quarto ao lado voltou ao quarto dela, fechou a porta e disse que tinha matado a aranha e disse para fazermos pouco barulho que ainda íamos ser expulsas. Acaba de dizer isto e alguém trupa à porta, a monitora "Eu não disse que íamos ser expulsas?", abre a porta e é o seminarista começa "Isto é o seguinte..." a monitora "É o barulho não é?", e o rapaz "Isto é o seguinte, eu percebo este vosso concílio fiminino, mas vocês já fizeram o senhor padre acordar...", isto tudo com o seu sotaque bastante engraçado e gestos igualmente peculiares, começamos logo a rir. A monitora respondeu "É que é assim, esta menina tem medo de aranhas e tinha uma na sua cama, eu tive de ir ao quarto dela e colocá-la debaixo do meu chinelo, morreu...", o rapaz responde com algo que nos fez rir imenso e é das falas mais utilizadas em frases agora, atenção, ele levou as mãos à cara tipo choque "Vocês fizeram a aranha falecer no seminário?!", a monitora "Nãaaaoooo! Ela suicidou-se sabes? Eu coloquei lá o meu chinelo e ela meteu-se por baixo!". Regrassamos ao quarto enquanto ele dizia algo à monitora, a Ashley estava a fechar a porta quando ele trupou e disse algo que a gente não percebeu, a rapariga começa a fechar a porta muito devagar e a rir-se antes de se atirar redondamente para o chão disse "Ele disse: Foi um prazer ver-vos de pijama!" quase que me atirava para o chão de seguida!
No dia a seguir contamos ao maestro e ele só se ria, escusado será dizer que até ao final do campos o maestro passou todo o tempo que pode a fazer alusão ao raio da expressão!
O relato já vai longo, mais logo conto o resto dos dias*

Este é o post das coisas de chacha e más, amanhã terão as estupidezes e coisas boas.

Querem que comece do início e acabe no fim presumo. Então vamos lá:
Cheguei ao parque de estacionamento do colégio sem saber com quem iria na camioneta, eu conhecia praticamente toda a gente das 65 pessoas que iam mas mesmo assim não sabia com quem ia na camioneta... A primeira pessoa que vi foi a Ashley e o seu namorado (que não ia), juntei-me a eles, ela perguntou-me com quem eu ia na camioneta e eu disse "Acreditas que só quando cheguei é que pensei nesse detalhe?" ela disse que acreditava porque aconteceu o mesmo e que ficava ao pé dela e da prima dela, a Lucy. Tudo definido vamos lá para a camioneta, pés a caminho e lá fomos nós. A meio do caminho a Ashley diz "É verdade! Quero dizer-vos uma cena, vou mandar uma mensagem, não digam a ninguém" , a Ashley ia ser uma das monitoras do campos ela tem a nossa idade, era das mais novas. Mandou a mensagem que dizia:
Tenho a certeza que as mais velhas também vão fazer isto com as suas meninas por isso, que se lixe. Quando lá chegarmos elas vão pedir um grupo de 6 raparigas para se juntarem duas a duas, para ocuparem os quartos triplos, com uma monitora cada. Vocês fiquem juntas que eu depois arranjo maneira de ficar convosco.
Chegamos finalmente ao Seminário da Santa Joana Princesa em Aveiro, mesmo ao lado da faculdade de ciências, vejam se percebem o meu sofrimento gente! Continuando, chegamos lá aquilo era qualquer coisa de lindo e enorme (façam alguma coisinha e pesquisem no google vá!) com alto campo de futebol e flores e árvores, era mesmo giro. Fez-se a tal divisão dos grupos para os quartos, nós juntamo-nos conforme as instruções da senhora monitora e lá conseguimos ficar com a Ashley. Fomos para o nosso quarto triplo que mais parecia um quarto de hotel, as condições daquele seminário eram mesmo muito boas, em termos de qualidade de espaço, este ano foi o melhor. Só digamos que quem ficou nos quartos triplos estava no cu de judas (desculpem a expressão). Porquê perguntam vocês. Ora porque tínhamos dois corredores enormes, mas mesmo enormes vocês não têm noção, a separar-nos das camaratas. Fomos depois para uma espécie de hall perto das camaratas para o "ajuntamento" antes do jantar e vimos que nós tivemos realmente muita sorte em ter escolhido os quartos porque as camaratas, embora melhores que as dos outros anos, eram péssimas em relação aos quartos. 
Ora, após o jantar tivemos a actividade em que utilizamos a esponja, o giz e a rolha. Basicamente nós tínhamos que mergulhar os objectos em água, tentar perceber aquilo tudo e dizer se nos considerávamos uma esponja, um giz ou uma rolha. No outro post eu explico tudo isto. No fim da actividade cantamos, fizemos a oração da noite e fomos para os quartos era por volta da meia noite. Foi nesta noite que ocorreu a peripécia do seminarista, as conversas e risota com as companheiras de quarto/quartos e a noite em que a monitora do quarto ao lado começou a embirrar connosco porque não conseguia dormir e no dia seguinte andou a dizer que só adormeceu as quatro da manhã por nossa causa, tipo, que se viesse queixar mais cedo. É que nós não temos culpa que as paredes sejam finas e que mesmo que a gente falasse aos sussurros se ouvisse...
No dia seguinte acordamos às oito, fizemos a oração da manhã, tomamos o pequeno almoço e partimos para a caminhada até às salinas, também vou explicar esta no próximo post. Voltamos ao seminário tivemos 3h do tempo livre, juntou-se toda a gente dos outros quarto e também o maestro que estava nas camaratas no nosso quarto e foi quando começou a merda toda para falar português correcto. Uma das raparigas do quarto ao lado tem um mau feitio do pior e trata toda a gente mal quando não deve. O maestro disse uma cena qualquer, típico dele e a pirralha começou logo a disparatar (ela não gosta dele, não o conhece e já acha que ele é uma má influência para a amiga dela) e disse inclusive que ele não devia estar ali porque rapazes não são permitidos no quarto das raparigas! Mas porque raio? Primeiro não se estava a fazer absolutamente nada de mal, éramos amigos a conviver, segundo o quarto nem sequer era dela, ela nem sequer era monitora. A Ashley só não a expulsou por respeito à monitora do quarto dela, que nem tinha o mesmo respeito por nós... Ela disse aquilo e a Troian reagiu logo, a Troian era outra das monitoras mais novas, ela é da idade do maestro, mais velha que nós 2 anos. Disse que ela não tinha carácter nenhum e que se achavam que ela tinha mau feitio, comparado com a moça não era nada. O maestro estava passadinho com ela e chamou-a à atenção ela disse que ele não era mais do que ela só por ser monitor, ao que ele respondeu que nunca tinha dito tal coisa mas que era mais velho logo ela devia respeita-lo, ela calou-se passou. Mas o que seria se não fosse logo contar à monitora do quarto ao lado que contou à outra monitora, que era o primeiro ano que estava lá e já se achava mais que os outros. Como a gente sabe que ela contou? Porque ao jantar já havia fala aqui e fala ali e olhares de lado.
Outras que falavam de nós e olhavam de lado eram as da turma da Lucy e da tal rapariga que anda com o maestro. Cínicas.....
À noite a outra rapariga do quarto ao lado do nosso fartou-se de estar no mesmo quarto que elas, ela foi lá parar de para-quedas, ela é altamente. Pediu à monitora para vir para o nosso quarto porque não conseguia dormir e não (estávamos a pensar fazer directa mas depois adormece-mos tal como ela) ... Ela não autorizou, começou a discutir com a rapariga, nós ouvíamos a voz da monitora e não ouvíamos a da rapariga para vocês verem quem se tava a passar. Isto passou-se, nós continuámos na conversa e a falar com a miúda por mensagens até que ela deixa de responder e depois ouvimos passos, para trás e para a frente, viemos cá fora e vimos o chefe dos escoteiros perguntamos o que se estava a passar e ele disse que a monitora se estava a sentir mal. Fomos lá ver e ela estava toda a tremer e a respirar fundo, estava a  ter um ataque de ansiedade, mas é como a Ashley e eu dissemos, ela não se sabe controlar. A outra monitora, a tal que se acha mais que os outros, foi lá e deu-lhe as mãos e passado um bocado ela desmaiou, e mesmo desmaiada continuava a tremer. Foi alto filme. E o melhor foi o fim, a Ashley perguntou ao maestro como ficava a situação da miúda que não queria ficar lá, depois chegou o chefe dos escoteiros e a monitora que se acha e ela fez a pergunta a eles também, a que se acha disse "Oh, por amor de Deus vocês acham que isso é o mais importante agora. Ela dorme aqui, não vai andar agora a mudar" e desandou, o chefe dos escoteiros disse que se fosse preciso até a levava para o pé de uma miúda que se tinha magoado e que estava noutro quarto e o maestro disse "Pronto, não é preciso estar uma pessoa obrigada num quarto, queres ir para o quarto delas vai." no fim o chefe dos escoteiros disse qualquer coisa e a rapariga estava do tipo vou ou não vou, porque quando o maestro disse o que disse a que se acha estava a olhar de lado e com cara de reprovação. A que se acha com todo o seu "poder" acabou por dizer "Arruma as tuas coisas e vai para outro lado", mesmo assim. Outro lado? A rapariga que se desenrasque é isso? Ela ficou super baralhada e o chefe dos escoteiros disse para ela ficar connosco para não andar agora a mudar tudo nas camaratas nem para fazer barulho. Tanta coisa....
No dia seguinte fizemos a reflexão final, preparamos a missa, almoçamos, foi a missa e viemos embora, desta vez na carrinha de 9 lugares do clube de futsal do maestro, foi muito melhor.
E porque que eu disse que havia muita regra? Porque havia horário para tudo, tudo mesmo. Porque numa das noites retiraram os telemóveis ao pessoal das camaratas, eles ligaram as lanternas e estavam a falar, retiraram as lanternas e mandaram o pessoal dormir. Diversão? Não constava no vocabulário...
Amanhã conto as coisas boas, porque também as houve.

Nunca na minha vida pensei que fosse ser desta maneira...


Eu ia sem expectativas nenhumas para este campos, só pensei naquilo no dia, quando acordei e pensei "é hoje" mas de resto não fiz logo planos nem imaginei como seria na minha cabeça. Ainda assim acabei surpresa, no mau sentido. Regras, regras e mais regras, aquilo foi um exagero! Monitores que eram monitores pela primeira vez e se achavam mais que os outros e que mandavam mais que os outros só porque eram mais velhos, favoritismos, má disposição e já falei em demasiadas regras?
Mas como tudo, também houveram coisas boas. As actividades (que estavam todas relacionadas) foram giras. Reforcei boas amizades, fiz novas, como sempre houve muita gargalhada e muito devaneio!
Mais logo conto-vos para que serviu aquele material estranho todo, como era o sítio e as peripécias todas.

Está quase...

Tudo prontinho para o campos.
Medicação, carregador, pasta e escova dos dentes, escova do cabelo, roupa, pijama, chinelos.
Material sabe-se lá para quê: Manta, venda/lenço, giz, esponja e uma rolha! 
Logo às seis temos de estar no ponto de encontro.
Vou ficar por lá até ao final do dia de domingo.
Não sei se vou ter hipóteses de deixar posts agendados.
Até segunda*

Mãezinha, foste tu...


Estou a ficar com sardas.
Ontem reparei que estava cheia de pintinhas vermelhas na zona abaixo do olho, mostrei à minha mãe e ela disse que eram sardas, ainda não estavam bem "formadas" mas estão a "formar-se".

Era o que eu mais queria...

E o pior é veres o teu maior sonho deste momento com possibilidades de não se cumprir, por décimas.

Sorry... Or not...

Se eu me arrependo de o ter apoiado mais do que a ti? Não, já não. Se eu voltava atrás no tempo e mudava alguma coisa do que fiz nesta história toda? Não. Eu apoiei os dois, dei conselhos aos dois, só que a partir de um certo ponto eu comecei a perceber que ele dava mais valar do que tu. Dava mais valor a mim e dava mais valor a ti do que tu a ele. Ele queria que tudo resultasse muito mais do que tu. Doeu-lhe, doeu-lhe muito, fui das únicas pessoas que soube o que se passava na sua cabeça e que o apoiou.
Mas, obrigada, a sério... É por pessoas como tu (que se afastam sem razões e justificações plausíveis) que eu percebi quem são os verdadeiros. Os que mesmo após toda esta distância e todo este tempo continuaram disponíveis e incansáveis.
Seria uma parva e uma estúpida se dissesse que já não gosto de ti ou que já não me importo, mas cansei de puxar a corda sabes? De que me adiantava fazê-lo se ela não traz nada?
Se penso nos velhos tempos e me sinto culpada por tudo isto? Não, não mais...
Obrigada Tess! Obrigada pelos bons momentos e pelo grande "abre olhos". 
Obrigada.

Batam-me, eu mereço!


Continuo com os comentários atrasados há um mês ou mais!
Este fim de semana foi ausência total, mas esta é justificável.
Então, sexta foi dia de preparar tudo para o concerto do coro, incluindo ensaio geral.
Sábado foi acordar, tomar banho, almoçar e ir a correr para Hogwarts. Durante a tarde tivemos pinturas para as crianças, actividades "radicais" (rapel, tiro ao alvo, guerras de balões de água, etc). À noite foi  o tão ansiado concerto (300 pessoas na plateia) em que tivemos a presença de diversos grupos corais das redondezas, no final foi a nossa vez de actuar! Cantamos "Lisboa", "Canção do Engate", "Eu não sei quem te perdeu", "Haverá sempre uma música", "Where the streets have no name", "Maria" e o nosso hino, pusemos toda a gente a dançar, a cantar e muitos a chorar. Na parte do nosso hino houve fogo de artifício e tudo!
Estive lá até às duas da manhã, no dia seguinte acordei às oito.
Agora é precisamente do dia seguinte que vou falar. Eram por volta das 10h quando chegamos ao porto (hora da formação de fila) abastecidas de imensa comida, água e protector solar.  Não passamos os dias anteriores a pernoitar à porta do estádio, nem chegámos lá as seis da manhã, mas mesmo assim conseguimos ser as primeiras da porta 21 e um belo lugar no topo norte. O estádio estava ao rubro e o concerto ainda nem sequer tinha começado, projectaram videoclips das músicas do momento no ecrã gigante e começou logo toda a gente a cantar. Enchemos os balões que mais tarde formariam a bandeira portuguesa lindamente (em baixo estará um vídeo da actuação dos D.A.M.A onde poderão ver perfeitamente o efeito criado) e seriam balançados ao som das músicas.
Eram 19h quando os D.A.M.A e o Salvador entraram em palco, digo-vos: Eu já adorava aqueles rapazes mas domingo passei a adorar ainda mais! Eles estavam completamente arrebatados com todo o nosso entusiasmo (e nós com o deles!) e disseram "Vocês não têm noção do quão importante isto é para nós!", bem, eles mereceram tudo aquilo! Ganharam imensas novas fãs e conquistaram ainda mais as antigas.
Esta é a famosa foto do concerto deles:

E dois dos vídeos, não são meus mas de umas meninas do topo norte (sintam o power):



É... Muita gente (not me!) só descobriu naquele momento que a música topless é deles!
E depois foi o tão esperado momento... Entraram os 1D em palco (eles disseram que nós fomos uma das recepções mais poderosas). Eles tiveram projecções espectaculares ao longo do concerto, interagiram imenso connosco, elogiaram-nos muito mesmo e não vou estar aqui com pormenores porque quem gosta, já viu os vídeos todos e todas as informações, tenho a certeza. 
Foi um fim de semana lindo.
Fim.


E agora vou ao aniversário da pisca!
Kisses*

É assim a minha vida.


Tenho andado a trabalhar com o meu pai, ajudo-o a descarregar as bobines de cartão e assim em vez de ele estar a pagar a outra pessoa, paga a mim. Chego a casa toda partida.
Hoje foi dia de preparar as coisas para o concerto do meu coro, que vai ser amanhã. Andamos a acartar os bancos do andar de cima para o sítio onde será o concerto, a limpar vidros, a limpar o pó, a varrer e a passar a esfregona no chão. Deu trabalho, mas ficou tudo impecável! Às 20h30m volto a Hogwarts para o ensaio. Amanhã, às duas da tarde estou lá outra vez para pintar a cara das criancinhas e fazer joguinhos e à noite daremos o show!
Domingo irei ver um concerto eu!

Igual ou melhor que o do ano passado?


De hoje a 15 começa mais um campos de trabalho aqui de Hogwarts.
Vamos para um seminário e fazer as loucuras habituais*

P.s. Onde está a Wallflower?! Espero que esteja tudo bem!

Estou de volta!


A este blog, porque estive todos os dias na sociedade secreta. Os meus serviços estão completos e agora estou de volta ao meu cantinho.
Tenho imensos comentários a aguardar moderação de há um mês para aí. Mas como já disse, tenho andado com o meu pai e chego a casa exausta que nem me apetece estar a responder aos comentários.
Desculpem!
Tenho umas coisinhas para vos contar, logo ou amanhã faço isso.
Espero que esteja tudo bem com vocês!

Quem vê a série, mesmo que ainda esteja no início da aparição desta personagem, percebe-me...

Cada vez que vejo esta imagem rio imenso!
Klaus, sendo... Klaus.


P.s. Eu ia responder a um comentário da Índia, mas o blog dela não estava disponível no perfil. Consegui aceder ao blog dela na mesma através do link que tinha gravado no histórico. Li o mais recente e último post, mas não consigo comentar, não tenho permissão para isso. Se conseguirem comentar, digam-lhe que estou lá desde, praticamente, o início e vou estar sempre, mesmo depois do fim. Digam-lhe que a admiro muito e para NUNCA desistir, ela irá perceber. Digam-lhe que vou ter saudades dela. Digam-lhe que o meu mail está disponível para ela. Digam-lhe que continuará a ser uma, se não mesmo a minha blogger favorita*
Porque na blogosfera, como no "mundo real", quando alguém se vai embora um bocadinho de nós vai com eles...
Obrigada, Índia!

Se detectarem erros, peço desculpa, ainda é cedo...

Ora, estou a escrever este post do cliente onde o meu pai está a descarregar o camião, eles tem net, então aproveito para vos dizer:
Booooom Diiiiaaaa!
Estou acordada desde as seis da manhã, e estou "comó aço".
Logo a tarde devo começar a responder aos vossos comments e depois vou à aula de código, sim voltei, devagarinho mas vou lá.
E vocês? Que andam a fazer?

P.s. Estou na Sociedade Secreta, toca a ir lá!

A melhor experiência de sempre.


Domingo, dia 22 de Junho realizou-se o passeio anual do meu coro.
Fomos para a Serra. De manhã fizemos uns jogos ao ar livre e de tarde fomos fazer um PR7, é um percurso de montanhismo. Percorremos, à vontade, metade da Serra. Descemos estradas de asfalto a pique e subimos a serra onde o único chão que tínhamos eram pedras de variados tamanhos. Conseguimos fazer o percurso todo! Em grupo, cada um ajudava o parceiro que estava à frente ou atrás. Chegamos ao fim todos juntos, começou a orvalhar, e sob aquele orvalho o escuteiro (que já está habituado àquilo e é dos membros mais velhos do grupo) reuniu-nos todos num abraço de grupo e começamos a cantar o hino, já estávamos todos de águas nos olhos quando ele disse que era melhor continuarmos o caminho de volta (agora já na estrada), assim fizemos. Faltava mesmo pouco para chegarmos ao coberto perto do autocarro quando começou a chover mesmo muito, começamos todos a correr mas chegamos ao coberto todos molhados na mesma.
No fim, todos molhados e com frio, só sorríamos uns para os outros dizendo que fora espectacular! E foi mesmo. Foi a melhor experiência da minha vida. Demonstrou que somos capazes de tudo neste momento e que somos um grupo super unido.
Para repetir, sem dúvida.